terça-feira, 13 de novembro de 2012

“3h e 34min. Nessa madrugada fria, cá estou eu, pensando em como foi fácil te esquecer, tão fácil que estou escrevendo esse maldito texto sobre você. A quem quero enganar? Nunca vou te esquecer, isso pode até soar um pouco meloso, mas é a verdade. Quando eu acabar meu colégio técnico e minha faculdade, estiver noiva, casada, ter minha casa própria, meu carro, e meus dois filhos, eu me lembrarei de você. Não irei lembrar-me de teu nome, sobrenome, endereço, telefone, mas irei lembrar-me de uma pessoa que me fez por um tempo, mesmo curto, feliz. Ah, e por tudo que aconteceu. Espero que você seja muito feliz com aquela sua amiga que conheceu em um barzinho qualquer de esquina, espero que seus cigarros não te causem câncer, mesmo que no começo quando decidi te deixar, admirei muito a ideia de isso acontecer. E meu Deus, saia daquela sua casa, nem sei se aquele lugar pode ser chamado de casa, aquilo era uma espelunca, mas é claro que você comprou-o, você mal parava lá dentro, vivia indo encher a cara com a sua galera e pegando qualquer menininha que via pela frente, ia para aquela cova apenas para se deitar, e acordar todos os dias com sua enxaqueca. Torço para que aquela garota do barzinho de esquina tenha pelo menos senso de fazer você largar sua droga que deixava sua espelunca impregnada com aquele cheiro que me fazia tossir. Ou melhor, espero que ela fume com você, quem sabe os dois morram juntos e a casa dos dois tenha o cheiro pior do que o pó que você não limpava. Estou esperando que a realidade seja a primeira opção. Torço que ela pense um pouco e compre uma casa maior que a sua, e vamos combinar, espero que ela escolha uma maior, muito maior, porque a sua mal dava dois quartos da minha hoje. Ou continuem naquele covil, e apodreçam lá naquele local com cheiro de cigarro, que provavelmente vai demorar anos e anos para sair. Vou ser sincera, nunca desejei o seu mal, apenas aponto suas opções de vida, que pra falar bem a verdade, não são muito boas. Você sonhava em ser rico, eu sonhava em pelo menos conseguir pagar todas as contas todo o mês. Você sonhava em pegar todas as garotinhas mais novas que pudesse, eu sonhava em conhecer alguém especial (que não fosse você) para construir minha vida. Você gostava de curtir a vida a noite, ou em qualquer horário que fosse. E eu sempre trabalhando naquele livro em que o homem morre no final, porque a vida não é perfeita e nunca será, ou justo o homem morre porque sou feminista de mais, e é claro, um livro ficaria muito mais interessante com uma mulher narrando sua história trágica de vida. E quando o tempo foi se passando, eu não sabia quem era você, quem tinha se tornado, quem sempre foi e só tinha deixado transparecer agora com as drogas e bebidas. Não te olhava com os mesmos olhos, te olhava e em meu olhar sufocava as lágrimas de pena que tinha a você e de você. Não me arrependo do dia em que consegui deixar essa vida para trás, fui me afastando aos poucos, e você se aproximando mais da menina da esquina, você não notou minha ausência, e eu não senti sua falta, nem da sua espelunca e do cheiro de cigarros que ficavam em minhas roupas. Você é, e sempre será um menininho da mamãe esperando te dizerem o que fazer e o que não fazer. Sempre foi imaturo, mesmo sendo alguns anos mais velho do que eu, acho que estou sendo feminista novamente, mas é o que dizem, mulheres amadurecem mais rápido do que homens. Fui embora, e sabe, foi melhor. Esses dias te vi na rua de mãos dadas com uma mulher de cabelos negros, e olhos que tiravam o fôlego, não era a garota do barzinho, e com certeza eu ia mais com a cara da do barzinho do que essa de cabelo liso e longo. Acho que você nunca ira amadurecer. Eu amadureci. Não sei o que se passa na sua vida agora, não me importa também, mas terei uma bela história de minha vida para contar, mesmo que um traste como você esteja incluso, a história pode se tornar um best-seller. Gostei da ideia, ganhar dinheiro a base de você, e no final você morrer, porque essa história, é minha. E ainda bem que não vou te esquecer, afinal, você me mostrou como não ser você, como não amar você, como não cair na desgraça de encontrar outra pessoa como você e viver com ela, tão pouco construir uma vida com ela. Pois é, não é fácil te esquecer. Mas é fácil te abandonar.” (Não é fácil te esquecer. Mas é fácil te abandonar)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

// >